domingo, 15 de abril de 2018

Tic toc

O tempo voa não é mesmo?

Eu nem acredito que em uma semana eu vou completar 24 anos. Como é aquela frase cliché que as pessoas falam? Completar 24 primaveras. Lembra daquela carta que escrevi aos meus 15 anos para mim mesma no meu aniversário de 18? Como eu gostaria de responder para ela, contar tudo que me aconteceu só esse ano.

Os primeiros dois meses e meio do ano foram difíceis para mim. Em uma conversa com minha amiga ela me disse, "fique tranquila Ronnie, ainda estamos em 2017. O ano novo astrológico ainda não aconteceu, e o ano de 2017 foi ruim, está sendo ruim para todos, mas esse ano de 2018 começa dia 20 de Março quando o 'sol entrar em Áries."

Eu tenho um pré-conceito sobre tudo isso por pura ignorância (no bon sentido das palavras). Eu não sabia direito o que isso significava, mas se ela disse que faria minha vida ficar melhor, eu me agarrei nessa ideia. E no dia 20 de Março eu respirei fundo e celebrei emocionalmente esse dia, eu acreditei com toda sinceridade no meu coração que esse ano iria ser bom.

Desde o dia 20 de Março eu estou tendo muitas bênçãos (to com dificuldade de saber o plural da palavra benção) em minha vida. Parece mentira, mas desde então tudo melhorou. Obviamente eu não culpo a sol por estar em Áries, eu "culpo" Deus por estar sempre ao meu nado. Mas eu tenho certeza que foi ele que colocou o sol no signo certo, seja lá o que isso possa significar.

O fato é, eu percebi que apesar de eu adorar fazer planos, nada está acontecendo como eu planejei. E custou para eu entender isso, eu parei de querer fazer escolhas e planos distantes porque Deus já provou mil e uma vez que eu não decido nada.

Já era hora de uma certa coisa acontecer comigo. Eu não vou dizer que estou orgulhosa, ou que isso era um fardo, mas eu vou dizer que esse fato foi um alívio em várias maneiras.

Vamos começar pelo Sr. Karma. Aquele mesmo de sempre. No começo do ano eu decidi que por mais que eu gostasse da amizade dele eu tinha que acabar com tudo. Eu estava me enganando dizendo que ser apenas amiga me satisfazia. E essa é parte de uma promessa minha, não mentir para mim mesma. Então eu fiz algo que provavelmente nunca fiz na minha vida, ou pelo menos completei né. Eu decidi que minha quarentena iria ser nele.

Tudo na verdade começou antes com uma aposta, mas eu decidi continuar. Eu não poderia puxar assunto, começar assunto ou continuar o assunto com ele. Eu poderia responder mas não poderia prolongar a conversa. Bom, primeiros dias foram fáceis já que o queridinho lá estava sem celular. Ele mandou mensagem e eu respondi, sem puxar assunto. Eu confesso que durante a quarentena eu tive três "recaídas" e talvez tenha puxado assunto (carinha de culpada).

Porém no final de toda essa minha experiência, gerou um resultado. Eu aprendi a seguir minha vida sem ficar esperando uma mensagem. Eu acho horrível a sensação de ter que olha para o celular toda hora na espera de uma mensagem. Não acho saudável.

Outros fatores aconteceram que me ajudaram a superar tudo isso. A questão é, o sentimento era real e esse sentimento não desaparece assim do nada. Além da quarentena, eu coloquei uma data de expiração para nossa amizade. Meus amigos deveriam saber que eu não me importo tanto com meu aniversário, mas eu fico chateada se alguém que eu me importo esquece de mim. E ele é alguém que eu me importo, mas ele também é alguém que eu sei que não vai lembrar do meu aniversário, é alguém que não sabe o quanto isso é importante para mim. Sabe por que ele não sabe? Porque meus sentimentos faz eu ter uma expectativa a mais sobre ele. E isso é totalmente errado.

Então eu decidi, que se meu aniversário for como eu espero, sem nenhuma mensagem dele, eu oficialmente deleto ele da minha vida. Ok, muito dramático né? Mas estamos falando de mim não é mesmo? Rainha do drama! Enfim, o sentimento que eu sentia é como uma ferida bem funda. Só o tempo iria curar. O fato de eu ter evitado conversar com ele ou manter contato ajudou a ferida a começar a fechar. Toda vez que eu cometia o erro de ir atrás e ficar conversando eu dava aquele cutucão na ferida. Sabe aquele machucado que você sente uma dorzinha que até é gostosa? Mas no fundo tudo que você está fazendo é atrasar o processo de cura.

A quarentena foi essencial para mim. Eu falava que ele era meu karma. Que eu fingia que tinha superado mas era só eu receber um pouco mais de atenção que todos os sentimentos voltavam. E toda essa situação era desgastante. Tem certas dores que são gostosas de sentir na hora, mas depois a gente se arrepende de ter cutucado.

Eu sei que tudo isso pode estar um pouco confuso, mas eu nem cheguei no ponto que eu ia chegar. Lembra quando eu disse que eu não faço mais planos? Pois bem, eu conheci uns caras nesses primeiros meses do ano... E esses caras eu conheci online em um certo aplicativo por ai. Todos os caras foram embustes na minha vida. Porém os embustes que me trouxeram coisas boas.

Vamos ao embuste número 1.

Vamos chama-lo de princeso. O princeso apareceu em um momento que eu não estava bem. E assim como o próprio apelido diz, ele era um príncipe. Era fofo, educado, carinhoso, era preocupado comigo, era gentil, era engraçado e o mais importante de tudo, eu gostei dele. Eu gosto de descrever ele como um cometa em minha vida. Ele apareceu do nada, veio com muita força e fez os danos dele. Ruins e bons. Como eu disse anteriormente, eu gostei de verdade do princeso, e todo o sentimento veio muito rápido, assim como nosso "relacionamento".  Ele sumiu tão rápido como apareceu em minha vida, e o pior eu não sei o porque. Talvez eu até saiba, mas prefiro não acreditar.

Eu não vou mentir, até hoje eu ainda sinto uma pequena dor no coração por pensar que não deu certo. Porque pela primeira vez em sei lá quanto tempo, eu provei a mim mesma que eu estava errada. Eu encontrei alguém que é completamente diferente do  Sr. karma, e alguém que eu fiquei completamente animada e interessada. Alguém que provou para mim que existe outra pessoa nesse mundo que possa me dar a segurança que o Sr. karma era o "the one". Apesar de não ter acontecido como eu queria, o princeso trouxe essa liberdade para mim. Eu finalmente estava dando passos para frente, cada vez mais perto de me livrar desse karma.

Embuste número 2.

Ok, aqui está a parte que eu nem acredito que vou compartilhar aqui. Esse vamos chama-lo de cremoso. Por favor, não me faça explicar porque desse nome, só saiba que é uma zueira. Assim como princeso, encontrei ele no mesmo app, e a outra coincidência foi que nenhum dos dois eu estava realmente interessada. Eu dei um "like" no cremoso simplesmente porque ele era brasileiro, nenhum motivo a mais. Eu estou carente de amigos brasileiros por aqui e eu acho legal conhecer gente que está vivendo a mesma coisa que você. Eu puxei assunto com o cremoso, para ver se ele era uma pessoa legal para conversar.
Cremoso não era uma pessoa que eu me dei bem logo de cara (saudades princeso).  Cremoso está estudando em uma cidade um pouco distante da minha e vai embora em Maio para o Brasil. Cremoso me chamou para sair domingo passado (8), eu não estava afim de ir porque eu percebi que diferente de mim, ele não estava afim de ser amigos. Parei de falar com o cremoso, até que ele resurge essa quinta (12) perguntando as dez da noite se eu queria sair. Obviamente eu disse que não iria, minha alma de velha já estava pronta para ir para cama. Eu tinha milhares de desculpas para não ir, simplesmente pelo fato de eu não querer ir.

Por insistência do cremoso eu passei meu endereço para que ele pudesse passar aqui para conversar, sei lá. Antes de qualquer coisa, eu sabia a possibilidade de coisas acontecerem, e eu passei o meu endereço porque quis. As onze da noite o querido chegou. Eu sai da minha casa e ficamos na rua "conversando". Cremoso não veio de longe as onze da noite para conversar. Ele muito menos estava interessado nisso. Cremoso foi meu primeiro beijo. É até esquisito eu digitar isso, eu que sempre fui super reservada nessa questão, sempre fui cautelosa e meio que esperançosa com esse momento... fiz tudo o que sempre diz que não iria fazer.

Vamos começar pelo fato que um beijo é algo íntimo, e eu sempre dizia que já que eu demorei tanto, principalmente o primeiro beijo tinha que ser com alguém que eu tivesse intimidade. Bom, eu nem sabia o nome do cremoso até alguns momentos antes dele chegar na minha casa. Quanta intimidade não é mesmo? Eu sempre dizia que eu não ficaria com alguém por ficar. Eu sempre imaginei que meu primeiro beijo fosse com alguém que eu tivesse alguma conexão, que fosse um momento especial.

A única coisa que aconteceu como eu sempre planejei sobre esse primeiro beijo é que só estava eu e ele naquele momento, eu não queria que ninguém assistisse. Mas obviamente só estávamos nós dois porque era 11 da noite, e isso não faz nada especial. O meu primeiro beijo não foi romântico, ou com alguém que eu realmente gostasse. Ainda estou pensando se isso é bom ou ruim. Resumindo tudo, foi horrível. Eu estava extremamente tímida, nervosa. Eu não estava nervosa em beijar o cremoso, eu estava nervosa em beijar, beijar e ter alguém assistindo, principalmente quem eu não gostaria. Eu não sabia o que fazer ou pensar.

Coitado do cremoso, no final eu fiquei com dó, veio até aqui e tenho certeza que ele possa ter se arrependido um pouco, porque com certeza não foi um dos melhores beijos dele. Eu não sabia como agir antes ou depois. Então depois do segundo beijo eu me despedi e arranjei uma desculpa e fui embora.

Vou explicar uma coisa. Todas as vezes que eu conhecia alguém e tinha um interesse com alguém e saia com essa pessoa, eu me preparava toda para tudo o que poderia acontecer. E o meu primeiro beijo foi em um dia que eu estava cansada, com qualquer roupa, com o cabelo bagunçado, e sem maquiagem nem nada. Foi com um cara que se Deus quiser eu nunca mais vou ver, e que eu não tive nenhuma vontade sequer de beijar, mesmo durante o beijo.

Eu o beijei porque eu quis, eu fui porque estava na hora para mim, apesar de não saber disso, aconteceu quando eu não esperava mas foi algo libertador em minha opinião. Foi meu último laço que eu precisava cortar com meu karma. Era a [ultima linda de conexão que me prendia ao karma, e eu to feliz com isso. Apesar de o cremoso ter sido um idiota por ter vindo aqui com segundas intenções, eu também o usei. Então acho que estamos quites.

Quanto ao Sr. Karma, eu cheguei a um ponto de desconexão que não me importa se eu vou receber um parabéns ou não, apesar de eu ter estabelecido uma data de validade. A realidade é que ele já está expirado. Quando eu digo ele, eu estou falando dos meus sentimentos, porque ele continua sendo uma pessoa que eu tenho um carinho enorme e eu considero um grande amigo. O que eu tenho que fazer agora é tomar o cuidado e dar a liberdade para minha ferida se fechar por completo e criar sua cicatriz.

Mais uma vez a vida provando que eu estava errada. Aqui quem faz os planos é Deus, é a vida, é o karma, é o destino, seja lá o que você acredita.




Nenhum comentário:

Postar um comentário