terça-feira, 5 de maio de 2015

Cidadania será que estamos fazendo certo?

Já faz um tempo que quero postar minha indignação aqui.

Eu como pedestre e utilizadora de serviços públicos como meio de transporte já estou cansada da falta de respeito, do cinismo e do individualismo das pessoas, principalmente as que utilizam carro.
Todo dia eu preciso atravessar duas ruas para chegar ao ponto do ônibus que eu pego para meu trabalho, e essas duas ruas estão conectadas perpendicularmente, nessas duas ruas há faixas de pedestres onde eu atravesso.

Eu sempre sem exagerar perco no mínimo uns três minutos para atravessar essas duas esperando que alguém pare ou simplesmente nenhum carro esteja passando, não é muita coisa, mas para quem está a pé dependente de um ônibus é muito tempo. Enfim, hoje fui atravessar e depois de um tempo esperando e sempre dando um passinho para frente para quem sabe as pessoas notarem mais que estou esperando para atravessar, uma mulher parou o carro e fez um sinal para eu ir com pressa, e eu agradeci. Atravessei a primeira rua e tive que tomar muito cuidado porque na segunda rua é  meio que uma rua, e ninguém se preocupa em olhar se alguém está atravessando e cruzam com tudo.

Eu fiquei irritadíssima com a atitude da mulher, com certeza ela estava fazendo a parte dela, mas se você for pensar ela não está, e eu não deveria agradecer, ela está simplesmente fazendo mais do que a obrigação dela. Me irrita mais ainda ao ponto de querer chorar de raiva quando eu estou em baixo de chuva e carro nenhum deixa eu atravessar, eu tenho que esperar a rua se esvaziar dos dois sentidos.

Ser cidadão é fazer a sua parte, e não jogar papel na rua e dar a passagem a pedestres não são uma gentileza, são suas obrigações.

A segunda parte da minha irritação é o ônibus em si. É aguentar gente mal educada, folgada e desrespeitadores, outro dia eu não falei nada e me arrependo disso mas um homem simplesmente deixou uma grávida com barriga já enorme em pé em uma viagem de mais ou menos vinte minutos. Fiquei pensando que ele poderia ser deficiente já que estava sentado na vaga marcada para Idosos, gestantes e deficientes, mas ele era algum deles? Não, ele desceu como uma pessoa normal no ponto que eu desci.

Eu tenho uma ideia de pelo menos uma vez por dia fazer uma gentileza, para o mundo ou para as pessoas. Eu limpo a sujeira que não é minha, adoro jogar o lixo na frente da pessoa que derrubou, eu olho feio para a pessoa que largou o lixo no chão e fico encarando. Eu ajudo algumas pessoas a atravessar a rua, eu oferece ajuda em recolher coisas que caem no chão, eu seguro a porta para as pessoas e falo "de nada" a quem "esquece"de agradecer e etc.

E nem tudo que citei é parte da cidadania, muitas são conhecidas como educação.

Eu não tenho como esperar que o mundo mude se eu não fizer nada para que isso aconteça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário