terça-feira, 7 de outubro de 2014

Ain't it fun

Primeira mente boa tarde,

Vou falar de um assunto que provavelmente eu disse que não iria falar aqui, nunca, porém, nunca diga nunca. (quero culpar o Justin Bieber por arruinar essa farsa para mim).

Eleições, política.

Não, eu não votei, não, não estou triste. Eu até poderia, mas infelizmente, não tão infelizmente eu trabalhei o domingo todo e o lugar onde eu deveria ir é meio que fora de mão, talvez porque eu more no meio do mato sem meio de transporte público, aqui ou você tem carro, cavalo, barco ou você vai andando.

Enfim, existe uma razão pela qual eu não gosto de política, e a razão é... porque eu não gosto! As pessoas precisam começar a respeitar as outras, isso cansa.  #porummundocommaisrespeito.
Como eu sou uma pessoa legal e passo cerca de 24hrs do dia falando em inglês, eu sinto saudade do belo e não tão fácil português.

Eu classifico esses quatro temas polêmicos demais para eu entrar em uma discussão: política, futebol, religião e por ultimo e recém adicionado, aborto. Esses são simplesmente alguns exemplos de outros temas que podem começar com uma pequena discussão de opiniões e terminar em uma grande briga.
Eu sou uma pessoa que tem a opinião formada, mas simplesmente evita participar ou dividir o que penso em muitas coisas porque eu tenho dificuldade de aceitar opiniões que não sejam as minhas.

Nossa, como você é criança, sou mesmo. E não sou a única, para falar a verdade eu já melhorei muito, quando estou em uma conversa e alguém fala algo em que eu não acredito ou sei que não faz sentido, eu respeito, eu fico brava quando alguém insinua que você que é a louca ou que é burra por acreditar ou gostar de certa coisa.

E futebol, política e religião são argumentos que não são fáceis de se discutir, isso tudo entra em fanatismo, que provavelmente já falei muito por aqui. Uma pessoa quando ela coloca na cabeça certa ideia e se ela acredita ou foi ensinada desde pequena a crer nisso, é difícil você mudar a ideia da pessoa, ou até mesmo errado?

Considero uma briga sem fim, sem certos e errados, não é falando os lados negativos de uma pessoa/partido/religião/time de futebol que a outra vai deixar de seguir e acompanhar tal. Não é porque um time perdeu um campeonato que um torcedor fanático vai trocar de time, não é porque o outro perdeu que seu time é considerado melhor. O Brasil é o único país com cinco vitórias na copa do mundo e está longe de ser o melhor do mundo. A Espanha ganhou o ano passado e perdeu feio esse ano, isso não a faz a pior do mundo e não faz a Alemanha a melhor.

Hoje tem muito da igreja evangélica e outros que eu não concordo, mas não é por isso que eu a considero ruim, a igreja católica para mim é boa, mas eu sei que se eu pesquisar tem emitas coisas a ser questionada e o passado dela não foi o mais  limpo ou evangelical. Sobre os partidos eu realmente nesse ano preferi ficar longe, não tenho ideia de qual poderia ser bom, não pesquisei, na verdade nunca pesquisei, sempre votei em que meus pais votaram, mas tem gente que leva isso a sério ( a maioria, espero eu) e sabem o que é o melhor, e mesmo com o passado e com os políticos roubando tudo as pessoas ainda votam, então quem sou eu para querer mudar essa pessoa, eu sei que voto é muito sério mas também é pessoal.

Uma coisa que eu sei, se existe algo errado, um dia a pessoa acordará e abrirá seus olhos e mudar de opinião.


Antes expliquei porque não gosto de falar, agora vou explicar o porque eu não gosto de política.

Desde de pequena eu sempre amei outros países, sempre sonhei em viajar e morar fora do país, e nunca foi porque eu não gosto do Brasil, já cheguei a questionar mas eu gosto sim, porque meu sangue ferve quando alguém fala mal, porém ultimamente está ficando difícil defender meu país.

Me lembro um dia que eu estava no escritório ouvindo e falando de uma musica americana para minha amiga, de repente uma outra menina vira e diz para mim:
- Se você gosta tanto dos Estados Unidos por que não muda para lá?
Eu não vou dizer toda a minha resposta mas vou dizer o que pensei, se eu pudesse eu iria. E to aqui, e vivendo aqui faz um ano e dois meses eu sei o quanto o Brasil está atrasado, quantos erros temos para arrumar e as ;unidas esperanças que eu tinha por um país melhor se foram. Aqui as coisas funcionam de uma maneira que fica até feio comparar com o Brasil.

Eu não acredito mais na política, na minha opinião só tem um pior que o outro, para mim, para haver alguma mudança, tem que ser algo drástico e muito poderoso, mas infelizmente o poder só está nas mãos de pessoas erradas. Dias antes da eleição um homem fez uma pessoa inocente de refém exigindo coisas que de uma maneira trágica e errada o que eu sempre estive esperando. Mas claro que não funcionou, para ter um país decente, teríamos que acabar com tudo e recomeçar do zero, mas é impossível. É triste dizer isso mas eu não me vejo e se Deus quiser não vou viver, se um dia eu tiver minha família, não é lá que vou querer morar.

Me lembro que minha mãe sempre jogava na minha cara dizendo: O Brasil é o país do futuro. E eu parava e pensava, talvez, se eu estiver errada, eu vou reconhecer meu erro e voltar, mas olhando agora. Não é só a política, é a segurança, é a educação, é a saúde e muito mais. Estava pensando que quando eu voltar eu vou ter medo de andar na rua, vejo toda hora notícias de assalto, roubo principalmente na região que eu vivo e eu fico preocupada que não vou conseguir mais andar a pé, de ônibus ou qualquer coisa porque até por meio de transporte público estão assaltando.

E esse é o motivo  pelo qual eu não gosto de política, eu não consigo acreditar que um palhaço que não sabe ler e escrever foi mais uma vez eleito com recorde de votos. Isso não é divertido, é triste.


Me desculpe Brasil, mas estamos longe de ter Ordem e Progresso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário