sábado, 14 de setembro de 2013

Sexta Feira 13

Então a tão temida sexta-feira treze, eu nunca acreditei nessas coisas, acho bobagem. Por algum motivo minha consciência me alertou e disse: "Isso não é uma besteira" e como de costume ignorei pensando que o dia ia ser ótimo.

No caminho de volta da escola de Lucca, é uma caminhada de trinta a quarenta minutos, e normalmente a baby sempre dorme, eu chego em casa a tiro do carrinho e ela dorme por mais uma ou até duas horas e continuo o dia, mas hoje eu tive que andar mais que o normal para ela dormir no carrinho. Eu andei mais um pouco para que quando eu a colocasse no berço estivesse em um sono mais pesado, só que quando coloquei ela acordou e começou a chorar, o que mais uma vez acontece e ela volta a dormir, só que hoje não foi assim. 
Eu gosto muito quando ela dorme orque durmo junto, não se preocupe que não a como eu dormir e não ouvir ela acordar. De qualquer modo ela não dormiu mais, foram 18 minutos só andando. Ok até ai isso aconteceu ontem e outro dia, ela está meio dodói.

Entre as onze horas e uma hora gosto sempre de andar com ela pelo parque próximo aqui e tal... Nesse mais ainda porque ao lado tem uma área de comércio e tinha o banco e um supermercado que eu precisava.
Decidi ir ao banco verificar uma coisa, só por questão burocrática, depois ia almoçar em um restaurante italiano, mas era muito cedo, então fui ao supermercado gastar um pouco com tranqueiras. Porque obviamente hoje é sexta. 

É ai que a vida veio e mais uma vez tentou me mostrar que estava errada.

Eu adoro supermercado, acho que sou uma das únicas pessoas que adora, mas eu amo ficar passeando pelos corredores... enfim. Enlouqueci com o preço da Coca cola mas me segurei, enfim. Uma caixa de Brownie, três Batatas Pringles por 5,96 dólares um pacotinho de amendoim doce e um pacote de capuccino foi o que comprei, quis dar uma de feliz e fui usar a maquina que você mesma faz o check out e paga você mesma. Tentei dar uma de malandra e fiquei uns dez minutos sozinha porque não funcionou e tive que chamar alguém para cancelar. Decidi ir para o caixa normal. A bebê começou a chorar, não aguentando mais ficar todo esse tempo no carrinho, sai correndo para trocar a pringles porque a outra estava sem tampa. Quando foi finalmente minha vez a baby chorou mais ainda e todo mundo começou a olhar., eu sem carrinho de comprar decidi tira-la do carrinho dela e colocar no colo, até ai tudo bem porque o cartão tava na mão. Pena que ele não passou, a caixa não tinha nenhuma paciência olhou para minha cara e eu tentei novamente, não foi. Obviamente a bebê começou a chorar e eu comecei a me desesperar. FUi contar o dinheiro que tinha e do total faltava um dólar, mas até ai demorei mais um pouco contando as notas porque estava nervosa e com vergonha, uma mulher veio e me ofereceu um dólar para ajudar, agradeci, paguei, sai da loja e no primeiro banco que encontrei, coloquei a bebê no carrinho de novo, as sacolas embaixo, guardei tudo na bolsa e chorei. Deixei todas as lágrimas caírem, porque eu já estava sensível a um tempo, e agora passei por toda essa vergonha, nervosismo, foi absurdamente derrotante para mim, eu finalmente deixei que as lágrimas que estava segurando caíssem. Saudade, dor, fragilidade, tristeza, vergonha, cansaço, tudo junto e misturado. fui na maquina do banco e notei que realmente algo está errado com meu cartão. Ótimo. 

No momento em que coloquei a baby no carrinho ela me viu chorando, fiquei mal, porque mesmo que ela tenha só sete meses bebês sentem isso e o pai dela uma vez disse que as vezes nosso humor acaba passando para os bebês, então torci para que ela nota-se. Mas eu sei que ela notou. Eu queria resolver no banco meu problema, mas sabia que ela estava cansada e com fome, eu to cuidado de uma vida independente e pequena e frágil, o meu cartão podia ser resolvido amanhã, sim bancos abrem aqui de sábado.

No caminho de volta eu pensei em como me revoltei quando alguém falou indiretamente que não tenho direito de reclamar. Eu tenho certeza de que se eu contar isso que aconteceu e como sinto alguém vai nem que seja pelas minhas costas dizer: Ela está reclamando de barriga cheia. Quem reclama com uma vida boa dessa? Eu tenho certeza porque eu já fui muitas vezes essa pessoa que julga. E só quando acontece com você que você percebe o quanto você jula. Minha vida etá maravilhosa mesmo, eu não tenho o que reclamar, mas isso não quer dizer que não vou ter meu momento, aquele momento em que precisamos colocar tudo para fora.

Por incrível que pareça nesse dia, a baby dormiu, e eu aproveitei para deitar também, já que havia perdido a fome. Vinte minutos, e ela acordou de novo.

Eu não tenho como ficar triste com um sorriso tão lindo como da baby, nunca fiquei ou pretendo perder a paciência com ela, porque sei que ela não tem a noção do que faz, na maioria das vezes. Estava na cozinha com ela tentando distraí-la para não ver que tava preparando a mamadeira dela, como eu disse anteriormente, na maioria das vezes eles não sabem o que fazem mas brincando com ela segurando ela, ela começou a me dar beijinhos assim como faço com ela, na primeira vez achei que ela estava só babando em mim, mas ela sorria depois que eu retribui com beijos e ela fez isso pelo menos mais duas vezes e vi que era beijinhos para me alegrar, e ela conseguiu. O resto do dia, mesmo cansada ela foi uma fofa.

Agora eu repito....
Então a tão temida sexta-feira treze, eu nunca acreditei nessas coisas, achava bobagem, hoje tenho certeza. Eu tenho e tive sorte, Melhor o supermercado do que ter almoçado antes. Melhor essa baby do que estar com a vida que estava antes, infeliz em um trabalho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário