domingo, 11 de setembro de 2011

Aborto, você é contra ou a favor?

Hoje eu estava conversando com uma amiga sobre o acontecimento de 11 de Setembro em que ela achava um absurdo as pessoas se importarem demais enquanto milhões de pessoas morrem em guerras, muitas vezes causadas pelos americanos.

Eu não aprofundei muito a minha opinião e cheguei a conclusão que ainda continuo com a minha conclusão:
Política, esporte, religião e futebol entre outros não deveriam ser discutidos.

Na mina escola, os professores gostam de vez em quando e escolher um assunto polêmico e conversar com os alunos e ver as diferenças de ponto de vista.
Confesso que eu amo isso, mas eu escolho a hora certa e o momento certo para falar, em minha classe, na maioria das vezes eu não participo dessa guerra de argumentos, sou sempre a do contra e para conseguir falar tudo que eu quero seria necessário respeito, paciência dos outros integrantes do grupo de debate, mas infelizmente não é o que ocorre na minha sala.
Outro dia perdi, uma discussão sobre aborto, cheguei à classe quando as últimas pessoas estavam saindo da sala junto ao professor, antes dele fechar a porta, fiz questão de deixar meu ponto de vista: Sou totalmente contra a legalização no Brasil, antes que eu pudesse continuar uma menina em especial olhou para mim com uma cara de nojo e deu as costas como se o que eu fosse ignorante sobre em relação o que eu havia acabado de falar e que tudo aquilo fosse totalmente insignificante.

Falta de respeito, quando estamos na sala, eu não tenho voz, não me deixam terminar de falar meu ponto de vista e é por isso eu evito participar dessas atividades.
Mas aqui, ninguém pode me impedir de falar a minha opinião, ninguém irá me interromper.

Diferente da maioria eu quando faoa a minha opinião eu não faço isso para provar aos outros qu estou certa ou quero "te obrigar" a mudar de opinião porque a sua não está certa (isso é o que realmente acontece em fóruns assim) eu apenas vou mostrar que o que eu digo tem seus valores. Quando as pessoas vão aprender que cada um tem seu gosto e sua opinião?

Eu cresci sempre com a mesma opinião, eu vi pessoas próximas, que eram muito jovens engravidarem, pessoas que não tinham condições nenhuma de criar um filho, tanto financeiramente como psicologicamente, mas nenhuma delas cometeu tal crime. Eu não sou capaz de matar uma formiga (só as moscas porque elas são insuportáveis), imagine matar algo muito maior que isso uma pessoa? Tudo bem que duas ou três semanas podem ser insignificantes para existir uma vida de verdade, mas repito, há uma vida no meio, não seria capaz de dormir a noite depois de fazer tal ato.

Não vejo algo mais belo que uma mulher grávida, idolatro a ideia de ter um filho o quanto antes, se eu pudesse, teria hoje mesmo, mas eu sei que agora não tenho condições, mas eu juro que até mesmo se eu fosse vítima de estupro, eu não mataria o bebê, ele não tem culpa, preferiria colocar minha vida em risco do que a de uma vida inocente que ainda nem conheceu o mundo.
Está certo, que você iria pensar, você não sabe o que fala, mas eu daria um jeito, nem que eu achasse uma família para cuidar da criança por mim. Doação seria apenas para alguém que me desse a chance de continuar na vida da criança. Qualquer coisa, menos matar.

É tudo questão de educação familiar, aquela menina que me olhou com desprezo é alguém que passa a maioria das noites fora de casa, curtindo a vida, é claro que para ela que um bebê em sua vida agora estragaria sua vida "perfeita". Acho hipocrisia em ouvir esses tipos de comentários de pessoas que podem financeiramente dar uma vida decente para essa criança, mas quem daria a mão disso para assumir seu erro? Na hora de ter relações sexuais e cometer um erro são adultos para isso, mas quando é hora de assumir suas responsabilidades, coitado tem apenas 17 anos.

Não me venha criticar, não estou aqui para julgar ou ser julgada, se não tiver respeito em ouvir e entender que cada pessoa tem a sua opinião, não velha falar comigo, porque eu não te darei atenção.
Assuntos polêmicos são delicados demais para serem discutidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário