sábado, 5 de março de 2011

A disputa entre as Avenidas

Faz já um tempo que estou em dívida com Nova Iorque, até agora não tinha ideia de como escrever um post que fosse ao nível dessa cidade, mas ao mesmo tempo achei injusto esquecer da minha cidade, aquela em que eu me despedi em lágrimas em minha viagem, espero chegar ao equilíbrio de ambas.

O que eu mais gosto de São Paulo é o fato dela parecer infinita, a cada dia ando por ruas e ruas, cada dia um novo caminho um novo lugar e quando você tem a certeza que já conheceu a cidade inteira, BAM você descobre que está completamente enganado!
Zona Norte, Zona Sul, Zona Leste ou Zona Oeste, cada pedaço tem seu destaque minha favorita é a Zona Oeste é o pedacinho onde eu mais tenho admiração e vontade de morar, a arquitetura preservada e as características simples que preservam o passado de preferência nos anos 70, minha época favorita. Não hesitaria em aceitar uma proposta de morar na região próxima a Praça da Sé, é estranho explicar o quanto me encanta. São Paulo como uma cidade grande tem seus múltiplos polos de identidade, bairros Italianos, orientais e espanhóis, somados a ruas que dão a volta ao mundo, Sampa (para os íntimos) tem áreas florestais o suficiente para um belo dia com a família, sem falar dos pontos turísticos mais conhecidos como Parque Ibirapuera, Masp e famosa Avenida Paulista.
Antes de dar destaque a ela, não posso deixar de falar das milhares possibilidades de lazer que essa cidade oferece. Shoppings, museus, restaurantes típas de diversos lugares, lanchonetes, lojas, cinema, parques, bares e muitas baladas. A cidade a noite fica mais agitada que a correria dos trabalhadores, não há chances de ficar um dia sem ter o que fazer nessa imensa cidade, chuva ou sol.
O que a adianta falar de todas as qualidades sem lembrar de dois pequenos problemas que São Paulo ainda tem que nos tornam tão famosos: Transito e Violência! Sobre o transito, só aqueles que trabalham ou tem pais que chegam tarde e cansados em casa graças esse excessivo volume de carros nas ruas, entendem, sem falar dos ônibus lotados.Também somos a cidade com uma das maiores favelas do Brasil, a pobreza não só  aqui mas em todo o país tem como solução um bom governo, que a cada ano que passa eu tenho menos esperança de encontrar, mas se um dia isso acontecer, teremos muitos anos pela frente para acabar com essa grande diferença social. Infelizmente gerado do alto nível de pobreza, temos 01% da violência mundial, maior ainda que a porcentagem do Rio de Janeiro, difícil de acreditar certo? Eu confesso que amo muito essa cidade, adoro andar a pé, de ônibus, metro, carro ou taxi, mas tenho que dizer que não tem um minuto que eu fique segura de andar na rua e não ter o medo de ser assaltada ou de ocorrer algo comigo, tento não pensar muito sobre isso mas é inevitável! Se fosse o caso de me mudar daqui eu só iria a um lugar nesse mundo, Nova Iorque. A grande Maçã.

Se eu contar talvez você até nem acredite, mas quando eu era pequena o último lugar que eu gostaria de visitar era o Estados Unidos, para quem me conhece bem é muito difícil de montar a imagem minha falando mal ou desejando nunca pisar os pés em solos americano,se é que podemos falar assim, porque não deixamos de ser parte da América, mas enfim.... esse era meu principal argumento quando a questão era desmoralizar com a superioridade que esse país demonstra. Quem diria ein?... nunca diga nunca!
Aos 13 anos esse ódio já havia passado e sem possibilidades de realizar meu sonho de ter uma festa de debutante, meus planos atingiram novas metas, uma viagem para fora do país, mas para onde?
Desde pequena tenho interesses em países diversos e curiosos, mas com certeza nunca estariam na lista de países em que meus pais gostariam de visitar. O que? Estava pensando que meus pais iriam me deixar com um cartão na mão dentro de um avião e me divertir? haha vocês estão bem enganados! Eu tinha apenas uma opção, a famosa Disney, eles já estiveram lá anos atrás e amaram, mas como eu disse, eles amaram, eu não curto parque de diversões, não era o que eu queria.
Com um sonho inspirado em  grandes filmes brincava que se era para ir para o Estados Unidos eu iria a Nova Iorque fazer compras! Nunca imaginando que um dia isso aconteceria em julho de 2010 após o trauma de não ir a minha Alemanha, eu estava lá, naquela cidade que um dia chamara de sonho.
Até chegar a hora de partir o fato de "Ronnie está em Nova Iorque" ainda não tinha entrado na minha cabeça, no começo até achei que era uma cidade meio "egocentrista" e "narcisista" de tanto ver o logo "I ♥NY" em qualquer esquina. Foi apenas na hora de me despedir que descobri que eu não havia gostado daquela cidade, eu havia apaixonado. Do mesmo modo que me despedi de São Paulo com lágrimas, me despedi de Nova Iorque desejando desde o primeiro minuto no avião, voltar o mais rápido possível.

Uma cidade encantadora, agradável e em primeiro lugar luxuosa. Eu me senti em casa desde o primeiro momento, durante os dias ao invés de dizer "hora de voltar ao hotel" costumávamos dizer "vamos voltar para casa", é até complicado de explicar o que senti enquanto estive lá.
Como São Paulo, Nova Iorque tem sua estrutura linda e é claro em oito dias não pude conhecer nem um décimo da cidade, quer dizer, conheci de longe passando com o ônibus de turismo, mas andar com meus próprios pés, não andei! Não tenho nem como falar das atrações daquela cidade, realmente é uma cidade com muitos prédios lindos e construções antigas.
Eu prometi a mim mesma não agir como turista e tirar foto de qualquer coisa que encontrar pelo caminho, o resultado são mais de 2000 fotos tiradas por meus pais e muitas tiradas por mim, foi estranho e divertido ser uma turista, nunca havia sido uma, sempre fiquei empolgada com os que conhecia aqui no Brasil e tava ansiosa para ser uma, imaginava que seria observada ou ser tratada de algum modo diferente, mas acho que escolhi o lugar errado para querer sentir esse gostinho de "turista". Nova Iorque é uma das cidades que mais recebe turista anualmente, e como São Paulo é uma cidade onde você encontra pessoas, culturas e lugares típicos de diversas nacionalidades. Totalmente diferente da minha cidade natal, eu nunca me senti tão segura como me sentia lá, tinha a sensação de que poderia derrubar dez dólares no chão e ter a certeza que alguém me devolveria, mas é claro que não corri o risco de ficar em bairros a noite considerados como perigosos.

Não tem como andar por Nova Iorque e não lembrar de diversos filmes e shows no qual aquelas ruas já foram o palco, não existe sensação melhor de auto-estima do que quando se anda em plena 05ª Avenida  com visão periférica das mais conhecidas lojas de luxo e do famoso Central Park em que naquela época o verde era o destaque junto da beleza dos lindos cavalos a disposição de passeios ao preço de trinta a cinquenta dólares a hora. Para concluir a perfeição dessa viagem, o hotel em que fiquei hospedada não era nenhum conhecido mundialmente e não era cinco estrelas, é um dos hotéis mais antigos  (1950) da cidade com a estrutura intacta e muito bem acomodado. Hotel Edson tem seu interior  um explêndido visual, com lindos quadros e uma grande área de espera, com uma lojinha a disposição com as famosas "souvenirs", um barzinho decorado a moda dos anos 50/60 e junto do seu famoso Edson Theater, mas sua melhor qualidade é sua localizção, preparados? 7ª Avenida e 47 Street, sabe onde isso fica?  A melhor localidade possível! Há alguns passos da famosa: Times Square!

Times Square: É muito comum encontrar câmeras, repórteres e até mesmo paparazzi, de dia ou noite é lotada, eu passeava por ela a noite, quando ela ficava mais iluminada e claro linda! Sua extenção é muito grande, nos dias que passei por ela, mesmo tendo andando muito a pé, não andei por toda ela. Suas diversidades e atrações nas ruas são inúmeras e divertidas, milhões de luzes e telões fazem você se sentir como estivesse fora dessa órbita, restaurantes e lojas decorativas e os teatros completam a perfeição de uma noite lotada de lembranças.

Quinta Aveinda X Avenida Paulista

Sinceramente, acho que nesse duelo não há vencedores, ambas as avenidas tem sua beleza destacada, cada uma com seu jeito, no inverno a Avenida Paulista atrai milhões de pessoas para ver sua linda decoração de Natal, enquanto a Quinta Avenida tem a neve para dar um doce toque de branco, cobrindo todo seu verde. A sensação que tive ao andar pela  Quinta avenida eu senti do mesmo jeito ao andar pela Avenida Paulista outro dia, me senti mais independente (pelo fato de estar sozinha), um pouco mais segura e iludida, Avenida Paulista está começando a ganhar seu mérito, acho que um dia pode até ser comparada a Quinta Avenida, seus prédios também são incríveis e a diversidade de atrações está conquistando seu espaço no mundo.

Eu amarei um dia poder ter São Paulo como uma cidade ao nível de Nova Iorque, basta apenas melhorarmos em alguns pontos, outros já até conquistamos, o metro daqui é mil vezes melhor, mais limpo e lindo, muitas estações foram reformadas e estão com um lindo design. As duas cidades são maravilhosas e tem como principal qualidade a diversidade, podemos encontrar o mundo em uma cidade.

A escolha para a melhor cidade fica a sua decisão, eu tenho planos para mante-las no meu futuro, mas não conterei agora porque como disse é para o futuro... e se daqui uns anos você encontrar algo que fale sobre elas lembre de mim ;D

Nenhum comentário:

Postar um comentário