sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Você já aprendeu alguma coisa nova hoje?

Tem duas coisas que desde o ano passado eu pratico todo dia: gratidão e aprender algo novo.

Parece besteira, mas apesar de óbvio a vida pode acabar a qualquer momento. Então eu luto todo o dia para me manter feliz e pelo menos sem reclamações. São das pequenas coisas que faz com que seu dia seja melhor.
Todo dia eu pratico a gratidão por absolutamente tudo, coisas que me alegram, coisas que me irritam e coisas que eu as vezes nem lembro que existe. Todo dia eu relembro das últimas coisas boas que me aconteceram; as bolsas escolares, minhas férias, minha família no Brasil, minha família aqui, meu College, meus amigos, minha vida e minha saúde. Eu agradeço pela minha saúde até quando eu to dormindo a base de remédios fortes para dor, porque eu poderia estar pior.
Eu me lembro do dia em que quase desmaiei na rua, enquanto eu senti minha visão embaçar, meu ouvido tampar e minhas pernas enfraquecerem, eu rezei para não desmaiar. Eu não ia ter condições de pagar uma conta de hospital. Por mais que a experiencia em si foi assustadora, quando eu fiquei um pouco melhor (Obrigada batata do Mc por me salvar), eu agradeci tanto por não ter acontecido nada por lá.
Quando estou a caminho do meu College a pé até o ponto de ônibus, eu fico agradecida por ter meio de transporte nessa cidade enorme. Eu agradeço por poder andar, agradeço pela água que eu tenho para me ajudar a sobreviver nesse semi inferninho que o Texas pode chegar. Agradeço o Ar condicionado, meu celular, minhas músicas, etc. Tem tanta coisa para ser grata que eu poderia ficar horas escrevendo.

Minha parte favorita é "aprender algo novo todo dia." Faz um ano e pouco que comecei aulas de piano com a vó americana. E isso talvez é algo que eu deveria ser mais agradecida e não do o valor o suficiente. (Take it for granted). Aos dez anos meus pais compraram de Natal um teclado para mim, eu lembro quando descobri uma caixa enorme de presente escondido e fiquei imaginando o que poderia ser. Quando eu abri e vi que era um teclado para mim eu sinceramente não fiquei tão feliz. Meus pais disseram que era algo que eu queria muito, mas quando eles falaram isso eu não lembrava de ficar pedindo um. E eu super ingrata na época não aproveitei nem a aula que eu tive com o professor que meus pais contrataram. Para ser sincera depois de ter as aulas que eu tive com a vó, eu não acho que ele foi um bom professor, apesar de ele ter me ensinado a tocar minha música favorita Além do Arco-íris.

Eu achava que um ano depois de aulas eu já estaria tocando um Mozart ou algo assim, hoje em dia eu só sei tocar músicas infantil e Jingle Bells e olhe lá. Eu achava que piano era só decorar os teclados e pronto. Mas a cada aula que eu tenho eu aprendo que existem várias maneiras e posições que os dedos precisão estar. Eu me surpreendo em toda aula com a capacidade dos movimentos dos meus dedos e como eu de certa forma aprendo rápido. Tocar piano, praticar e ter aula é uma coisa que eu tenho preguiça, muita, mas uma vez que eu sento no piano para tocar, eu acho que poderia passar horas tocando. A música, o som e a combinação de tudo que aprendo é mais uma coisa para ser grata. É lindo tocar piano, é gostoso aprender música, é como aprender uma nova língua.

Não é somente esse tipo de aprendizado que eu faço, eu tento aprender pequenas coisas também. Aprendo uma nova palavra em inglês, termo, até mesmo em português. Eu tento aprender a me entender melhor, entender o que sinto, aprender a tratar as pessoas diferente. Aprendo a ter paciência, empatia e simpatia. Eu estou praticando aprender a ouvir mais as pessoas, eu acho que sou muito egoísta e falo muito de mim. Eu aprendo um caminho novo, uma nova receita, uma nova palavra em lingua dos sinais.
Aprendo a lidar com o tempo, meus limites, defeitos, desencontros, problemas, dúvidas, inseguranças e medos. Tento aprender mais sobre as pessoas em minha volta, ou até sobre quem está do outro lado do mundo. Tem tanta coisa que temos que aprender, porque na real nós sabemos de nada sobre a vida, sobre o mundo. E cabe a nós escolhermos aprender ou viver na ignorância, em todos os sentidos.

Ah, eu também pratico (nem todo dia) e estou aprendendo a sempre reconhecer as pessoas pelo o que elas são ou representam. Você nunca saberá quando você deixará de ver/falar com alguém então porque esperar por um momento especial?

São as pequenas coisas que nos fazem descobrir mais sobre nós.

A única coisa que eu não consegui entender é porque diacho minha inspiração só vem de madrugada.

Atualização sobre Stella. Encontrei-a hoje nove da noite no ônibus, novamente sorrindo com dessa vez 5 sacolas e uma mini caixa térmica!


domingo, 12 de agosto de 2018

Acho que já escolhi minha próxima tatuagem

Morar longe de casa tem milhões de vantagens, mas também tem muitas (várias) desvantagens. Hoje é um dia que eu notei duas.

Hoje eu fui em um chá de bebê de uma "conhecida," parei para pensar que antes de vim para cá eu não tinha ido a muitos chá de bebês, ou casamentos. E desde que cheguei eu já fui em um casamento (mais um para conta dos que fui sem ser convidada) e quatro chá de bebês. Eu até entendo que antes eu não tinha tantos conhecidos na idade de casar e ter filhos. Mas eu percebi hoje que só ano passado tive mais de 5 amigas que casaram e/ou tiveram filhos nos últimos dois anos. E eu não fui.
E tudo bem I guess, foi minha escolha vir e isso vai continuar acontecendo.  Efeito distância. Mas talvez a saudade é a mais difícil de lidar/aceitar.

Dois dias atrás estava conversando com um amigo meu sobre a minha saudades de boteco. De simplesmente sair do trabalho e passar horas trocando ideia com meus amigos, seja bebendo ou não. Aqui eu não conheço nenhum lugar que seja estilo boteco. Não que faria muita mudança na minha rotina, já que meus amigos aqui não curtem muito isso. Apesar que já passei a tarde bebendo em um pier do White Rock Lake até o por do sol acabar. Foi um dia muito legal mas meus amigos se mudaram para longe.

Desde sexta minha maldita ATM (para quem não sabe, é um distúrbio na mandíbula chamado Articulação Temporo- Mandibular) resolveu fazer uma visitinha. Uma dor e incomodo insuportável e constante. Ela surge em época de estresse e pode durar de dias á semanas. O tratamento recomendável é ir ao dentista em casos crônicos (meu caso), mas eu normalmente só torço para passar logo e tento ficar de repouso meditando. Eu repousando seria legal! hahahaha, mas tive um milhão de coisas para fazer nos últimos dias. Sobrevivo as dores com pills! :)

E dias como hoje, onde a dor está além do que eu posso suportar o que eu tenho mais saudades é de ter minha família por perto. Estar no friozinho do Brasil, tomando uma sopinha que minha mãe faria e sendo cuidada por eles ou minha avó.

Saudade é a minha palavra favorita da língua portuguesa. Simplesmente pelo fato de não ter tradução para nenhum idioma. Apesar de significar fazer falta, ainda sim é única.

São pequenas coisas que fazem o coração ficar mais apertadinho em dias quando precisamos de uma atenção a mais.



Atualização: Depois de eu terminar de escrever esse texto fui tirar uma nap. Acordei com a vó (Americana adotiva) me chamando para jantar. Pasmem, mas ela fez sopa de frango (que ela sabe que é minha favorita) e fez sopa no verão porque eu tinha falado que não poderia exercitar demais minha mandíbula. Na janta, o vô rezou por mim e disse que estava pesquisando exercícios para me ajudar a me recuperar. <3 p="">

sábado, 11 de agosto de 2018

Don't forget rule number 1: respeita a coleguinha!

terça-feira, 7 de agosto de 2018

A história de um brinco perdido

Nada que eu escrevo ou penso é algo simples. A história do brinco perdido não é simplesmente uma história do dia que eu perdi um brinco. Vocês já me conhecem sabem bem que eu vou muito mais a fundo.

Dia dois de março desse ano (2018) eu tinha um encontro. Como de costume ele tem apelido, princeso (pausa para introdução do Princeso).

Princeso apareceu em um momento ruim e quando eu não esperava, não vem ao caso agora como ele apareceu. Enfim, nós conversamos bastante, e pela primeira vez em muito tempo eu não conhecia alguém que me fazia me sentir bem. Nós tínhamos uma conexão muito boa, compartilhávamos os mesmos gostos entre outras coisitas. Ele me fazia me sentir bem até comigo mesma. No terceiro convite eu aceitei sair com ele.

De volta para o dia dois de Março. Eu como sempre, estava nervosa, ansiosa, mas estava animada também. Saí as pressas porque tinha que resolver algo no banco antes. Quando saí do banco percebi que estava sem brinco. A Ronnie de 4 anos atrás não ia se importar, mas eu não poderia ir sem brinco, eu queria que aquele dia fosse perfeito. Então passei em uma loja perto do banco e encontrei um tipo de brinco que eu não nunca tinha usado. O brinco era lindo, uma pedra de Swarovski dentro de um molde quadrado. Não é brinco muito grande, mas também não era uma pedra pequena, era um tamanho perfeito. 

Eu cheguei antes que o Princeso no local que a gente marcou. Aproveitei para ir em uma outra loja para procurar algo. Quando ele chegou ele me esperou em frente ao restaurante. Tenho que dizer no momento que eu fui encontrá-lo foi um dos momentos que eu passei mais nervoso. Quando as pessoas falam de borboletas no estômago, elas não estão brincando. Apesar que para mim eram quase morcegos ou algo do tipo. É uma ansiedade que as vezes até da ânsia. Não vou contar como foi o encontro, mas vou dizer que durante achei que foi bom. Quando ele me deixou no meu College ele abriu a porta para mim, me abraçou, agradeceu pelo dia e a gente se despediu. Ali, eu sabia que algo não tinha dado certo. Quando eu fui para meu escritório eu queria chorar, eu não sei porque mas eu sabia que eu nunca mais o veria. 
Eu estava bem triste porque eu queria que tivesse dado certo. Eu conheci outros caras mas ninguém eu queria ou tentei que desse certo como ele. E eu já sabia que não tinha dado. Eu passei as horas seguintes  agoniada tentando repassar tudo o que aconteceu na minha cabeça tentando entender o que possa ter dado errado, o que eu fiz de errado. Também passei o dia tirando um dos brincos e olhando para ele, porque eu amei aquele brinco. 

No fim do dia eu fui tira-lo para olhar mais uma vez como ele era lindinho e eu não senti nada. O brinco que estava na minha orelha esquerda não estava lá. Vocês não fazem ideia de quanto eu fiquei atrás desse brinco. Era quase meia noite e eu estava deitada no chão (literalmente) procurando esse brinco. Eu tirei todos os móveis,  limpei o chão, varri procurei até onde não poderia estar. Resumindo eu não achei, e eu fiquei arrasada. Para vocês terem uma noção, toda vez que eu sentia algo no chão eu me jogava no chão com coração acelerado na esperança de achar. 

Por muito tempo eu achava que toda essa paixão pelo meu brinco era porque ele era lindo demais. Nem foi por questão de preço que ele nem foi tão caro assim, mas a real foi que eu ligava ele ao princeso. Eu o comprei no dia que eu fui ao primeiro encontro com ele,  e perdi no dia que eu realmente perdi esse princeso. A gente até conversou depois do encontro, ele me mandou mensagem e eu tinha até relaxado um pouco mas foi só aquele dia. Depois ele sumiu, alguém que me mandava mensagem 24 horas por dia simplesmente não mandou mais nada. Eu tenho uma teoria sobre o que possa ter acontecido, mas eu não quero acreditar porque ai eu teria que mudar o apelido dele. De certa forma ele foi um princeso até o final, porque ele poderia ter nunca mais ter falado nada, ou falado algo ruim sobre mim, mas não ele ainda agradeceu novamente pelo dia e disse que tinha gostado da minha companhia. 

Onde o brinco foi parar e o que realmente aconteceu, são coisas que eu não sei explicar e que me abalou muito. O brinco era lindo, lindo mesmo e eu não queria acreditar que eu perdi, que não tinha durado e que eu não o veria mais. O brinco era o princeso que eu até hoje me questiono por onde anda e imagino onde estaríamos se eu não tivesse perdido. 

Mas, ontem (6 de Agosto) algo aconteceu. Eu contei em partes para o meu pai a história do brinco. Obviamente omiti a parte do princeso, mas contei que perdi e que eu fiquei muito triste, e que eu sempre fico procurando por ai, vai que eu o encontro (de novo não estava falando só do brinco). Depois de um jantar, eu estava em uma lojinha fofinha com meu pai, e ele olhou para mim e falou para procurar um par brincos que ele compraria para mim. Não era para eu olha o valor, apenas escolher. Vocês acreditam que eu encontrei um bem parecido com aquele que eu perdi? A diferença era que ele era ainda mais bonito. Ele não é igual, o que eu tinha era um cristal transparente, esse é um branco meio opaco com brilho. 

Moral da história: Eu não encontrei o brinco e provavelmente nunca vou vê-lo. Eu passei meses e meses tentando superar essa perda e sofrendo imaginando o que não existia mais ao invés de simplesmente procurar por um novo. Se não era para eu ficar com ele, eu devo superar e seguir em frente porque quando você menos espera, uma outra pessoa que com certeza não te abandonará, te trará esperança de novo!

That's all for now folks! Quando estiverem por ai, espero que encontrem um brinco perfeito para vocês também. E se por acaso perdeu um que gostava muito, outros virão!

Goodnight, 

Ronnie.





segunda-feira, 14 de maio de 2018

Além do Arco-íris

Sabe a melhor coisa de ter memória curta (para a maioria das coisas)? É poder reler, reassistir filmes, séries e outras coisas mil vezes e não se cansar. Well, algumas semanas atrás eu estava chorando que nem um bebê depois de assistir um vídeo de Chocolate com Pimenta. O que eu não choro mais com a minha vida chorei com aqueles 50 segundos de uma das últimas cenas da novela.

Bom, se você me conhece, você sabe que eu talvez tenha uma pequena obsessão por Chocolate com Pimenta. Deve saber que eu assisti as três vezes que passou na TV e talvez tenha assistido obsessivamente mais duas (ou três, who is counting?) vezes na internet quase toda a novela. Bom, aquele vídeo me fez entrar no clima e eu decidi re-assistir a novela de novo. Depois de eu conseguir assistir quase toda a novela pela internet, eu decidi reassistir com um olhar crítico. Porque sinceramente isso é doentio; e eu precisava encontrar erro para mostrar a mim mesma como algo que eu gosto pode ter muitos erros e quem sabe eu não sigo em frente e desisto de reassistir tantas vezes.

Então, segue agora minhas observações sobre Chocolate com Pimenta após quase 15 anos quando assisti a primeira vez. Eu disse que minha memória é curta e não lembrava de muita coisa, mesmo que a última vez que eu assisti foi a mais ou menos de 4 anos. Por isso, decidi reassistir duas vezes seguidas. Fica seu conceito decidir se é desculpa para ver de novo ou não. Minhas observações são desde críticas, dúvidas e comentários de como essa novela seria vista nos dias de hoje. 

Vamos começar pelo começo. Ana Francisca toda atrapalhada (me reconheci total), chega a cidade e tem a oportunidade de estudar na escola com bolsa. Pergunta, como que uma cidade dessa nāo tem escola pública? Ok, vamos seguir em frente. O tempo era outro e com o prefeito Vivaldo, eu até entendo, não terem dinheiro para isso. Eu me pego pensando se existe tantas pessoas inocentes como Ana Francisca, acreditar em tudo que falam e nessa maldade que fazem contra ela.  Tudo bem que era outra epoca, mas acreditar na Bárbara e fugir com o Ludovico por pensar que o Danilo jogou tinta verde nela para fugir de suas responsabilidades?!?!.

A Anninha não falou um A quando estava prestes a casar para o Danilo quando ele o chamou de golpixxxxxta a primeira vez?!?! Okay que a novela ia acabar lá, mas é isso ai, eu to aqui para apontar os pontos fracos. Bom, o segundo comentário que eu tenho a fazer é ver a Anninha passar sete anos na Argentina com o filho e continuar apaixonada pelo Danilo. Eu não tenho muita moral, mas Deus me livre ficar sete anos em outro país apaixonada por um cara que ela acredita ser um babaca. Uma dúvida que eu tenho é a seguinte: Quando Aninha volta para a cidade, a Dona Mocinha ainda não sabe que o Danilo é o verdadeiro pai de Tonico, mas de repente, em alguns capítulos mais para frente ela está pedindo a Aninha que fale com o Danilo sobre o Tonico. Ué? Talvez eu não lembre, ou não tem essa parte nos episódios que assisto online.. mas essa dúvida permanece.

Ok, Anninha está de volta a Ventura toda bonitona e poderosa, querendo vingança. Rainha né mores? Acho essa história muito boa, e adoro como Valcyr criou isso tudo. As pessoas gostam de falar que a Nina de Avenida Brasil ou a própria Emily Thorne ou para os íntimos (Amanda Clarke) de Revenge eram as maiores vingadoras das séries. Sorry to tell you, mas Ana Francisca é a melhor vingadora que você conhece. Pelo menos ninguém morre por conta dela. 

Eu sou apaixonada pela história da Aninha e do Danilo. Eles são lindos juntos, um romance invejável, vamos dizer. É indescritível a química entre a Mariana Ximenes e o Murilo Benício na novela toda, você consegue sentir como existe atração entre os personagens e pelo amor de Deus, cada beijo né? Lindos demais, mas eu tenho que confessar uma coisa, a melhor parte da novela é a provocação entre os dois e a atração. Não importa o quanto um ofende ao outro, eles não conseguem resistir um ao outro, e isso é um máximo. E isso também é o problema, porque sinceramente próximo ao fim da novela, quando os dois estão finalmente juntos é um alívio, mas ao mesmo tempo é a parte mais entediante da novela. Fica sem graça ver eles juntos apesar de fofos. Era legal ver essa brincadeira de um ir atrás do outro e tal.


Eu poderia falar de cada personagem da novela, mas vou citar três apenas. 

Aninha:
Olha eu entendo a personagem, a inocência dela no começo, mas o pessoa mais cabeçuda ne? Todo mundo pede para ela conversar com o Danilo sobre o filho, todo mundo alerta que ele não sabe de nada e mesmo assim, ela insiste em acreditar na tia do cara, uma mulher que nem gosta dela. Aninha hellooooo pergunta você a ele, fala do seu filho. Qualquer uma das um milhão de vezes que o Danilo a chamou de golpixxxxta, ela poderia ter jogado na cara dele que ele a abandonou e pronto, resolvia isso. Ou simplesmente pergunta para o melhor amigo dele?! Falando em melhor amigo, ela nunca falou a verdade para a Celina? Por que? Ok, Aninha, eu te perdoou porque você é guerreira e uma personagem incrível. Me vejo muito nela, sonhadora, sensível e apesar de tudo é inocente ao acreditar que todas as pessoas podem mudar e terem boas intenções. O que em muitas vezes acaba nos prejudicando.

Danilo
Eu sinceramente acho que é o personagem que mais chamam o nome. Nunca vi. Sinceramente nem sei porque gosto dele, porque tem mais defeito que qualidades. Grosso, rude, safado, super machista e agressivo. Tem duas cenas que eu me choquei em assistir, duas cenas que ele tenta enforcar, ou a Aninha ou a Olga. Duas cenas diferente mas do mesmo personagens agredindo mulheres. Hoje em dia uma cena dessa na TV seria alvo de críticas. Tem uma cena onde Danilo segurou o braço forte da Aninha e não a respeitou quando disse não a ele.  Outra cena é ele fazendo vários comentários machistas, talvez não o fariam ser o mocinho da novela, caso estivesse passando hoje em dia na TV. Apesar dos defeitos, só consigo amá-lo, não consigo vê-lo com outra pessoa a não ser Aninha. Uma coisa que eu valorizo é que ele é sincero nos sentimentos, mesmo quando tenta resistir ele nunca foi falso e isso é lindo o amor que ele sente. Eu acho que o Danilo tem muitas qualidades, mas como eu disso os defeitos são bem feios.

Miguel
Outro personagem que me irrita. Talvez um dos motivos que me irrita nele é por me ver muito nele. Irônico não? Miguel põe a felicidade das pessoas que ele ama na frente da dele, e eu faço isso totalmente. Apesar de querer a felicidade da Aninha e poder "ver o futuro" ou sentir as coisas, nunca falou a verdade para ela, escondeu um grande segredo (mesmo que a ajudou no final) e não saiu de perto dela quando tinha que sair, prejudicando o casamento dela. Meus comentários quando eu o vejo sempre é "sai daí menino."

Ok, eu poderia passar horas e horas escrevendo sobre essa novela. No final de tudo é uma dramaturgia, tem que ter essas reviravoltas, dramas, cenas sem noção e cenas fofas. Mas a melhor parte de tudo é ver as brigas com bolos e tortas. Com toda certeza essa novela é a minha favorita e vou continuar assistindo várias vezes. Melhor novela de Valcyr, me faz morrer de vontade de conhecer ele, Mari Ximenes (para os íntimos ok?) e Murilo Benício, só para agradecer eles terem feito essa novela. 

Não tenho total certeza em falar isso, mas essa novela foi grande influencia em minha vida, até hoje e pode sim ter uma parcela de culpa em me fazer amar romance e a escrita. Não é a toa que Além do Arco-íris é minha música favorita, versão português e inglês, que só ouço na voz da Luiza Possi (respeita a Luiza e ouça também)
Obrigada Valcyr!











domingo, 15 de abril de 2018

Não é o que parece

Alguns acontecimentos na vida ultimamente me fizeram refletir muito.

Vamos voltar mais para o dia 12 de Fevereiro,  parece que foi ontem, mas na verdade já foi dois meses. Nesse dia eu estava a caminho do College carregando duas bolsas. Uma era a minha bolsa normal, a segunda continha uma câmera profissional, a lente que é tão cara quanto a camera e uma câmera  filmadora.
Eu uma pessoa naturalmente distraída estava conversando com alguém no telefone. Assim que meu ônibus parou na estação, eu peguei a minha bolsa e sai do ônibus.
Reparou em um detalhe? Eu disse bolsa. Foi eu dar literalmente alguns passos que eu percebi que eu esqueci a bolsa com as câmeras. Não foi nem dois minutos que eu voltei a olhar para onde o ônibus tinha parado e ele já não estava lá. 

Em 20 minutos que eu tinha saído do ônibus eu já tinha falado com todo mundo que eu poderia falar e ouvi da empresa responsável pelo transporte públicos de Dallas que eles haviam conversado com todos os motoristas daquela rota e nenhum motorista viu a bolsa. Resumindo, eu tive uma péssima semana, eu só sabia chorar. 

Além das câmeras outras coisas pequenas aconteceram e que me deixaram totalmente desanimada. A única coisa que eu consegui me animar foi para o show da Demi Lovato que fui naquela semana. Eu não ia, mas decidir ir uma semana antes do show porque eu merecia. Nunca poderia pensar que aquele dia me ensinaria tanto.

Antes do show, Demi trouxe a CAST on Tour, um grupo criado por ela e parceiros para criar consciência sobre saúde mental. Em cada show eles trouxeram alguém com uma história bonita para compartilhar com as pessoas e contar como eles superaram suas dificuldades. Na CAST on Tour de Dallas eles trouxeram um ex lutador UFC que foi atropelado por um trem. Hoje, quase dois anos depois vive cada dia com sua maior vitória, ter sobrevivido. Ele tem uma história muito bonita e eu fiquei muito emocionada.

Após o show eu decidi ir para casa de trem/ônibus e já era tarde. Encontrei no ônibus uma moça chamada Stella. Eu a conheci mais ou menos um ano atrás. Stella passa quase todo dia, se não todo dia carregando em média seis sacolas com vários snacks para vender. Salgadinhos, doces, bolachas, refrigerante, leite, água,  entre mil e outras coisas. Cada saco pesa entre cinco a seis quilos, eu sei disso porque foi assim que conheci. Quis ajudá-la a sair do trem e carregar até o ônibus que ela pegou. Eu fiquei impressionada pelo peso e pela quantidade de sacolas. Eu não imaginava a primeiro momento que tudo aquilo era para vender e que todo dia ela carrega esse peso todo o dia todo por toda região de Dallas.

Eu vou ser sincera, eu não tenho ideia de quantas vezes eu já encontrei Stella por ai... foi pelo menos umas cinco vezes. Bem provável que muito mais vezes, e toda vez que a vejo eu converso com ela. Ela faz isso já a muito tempo e sempre simpática e com um sorriso no rosto. Stella compra os produtos em mercado em dias de promoção e leva-os para vender durante o dia. Eu perguntei Stella se vale a pena levar todas essas sacolas, mas ela não se importa.

No dia do show que encontrei Stella, já era quase meia noite, e lá estava ela, sorrindo com suas seis sacolas lotadas e pesadas. Tudo bem que meu problema das câmeras naquela época eram sim importantes e que cada pessoa tem seus problemas e suas maneiras de lidarem, mas naquele dia depois de ouvir uma história de alguém que ganhou uma segunda chance e ver Stella ali depois de passar o dia trabalhando carregando peso e ganhando o seu pouco dinheiro por dia me fez refletir muito.

De novo, não gosto de comparar problemas, sempre vai ter pessoas em uma pior situação que a nossa, sempre. Eu aprendi que a melhor maneira de lidar com os sentimentos e deixar você sentir, não se culpe, não se envergonhe, não se compare com outras pessoas. Está com raiva porque foi ignorada? Está triste porque não conseguiu algo que esperava? Está chateada porque perdeu algo valioso? Fique com raiva, chore, e deixa os sentimentos fluirem. Você só saberá superar se você sentir, entender o porque e o que está sentindo e assim, se libertar dele.

Mas naquele dia 7 de Março eu olhei para os meus problemas com um olhar diferente. Eu podia estar revoltada, triste, decepcionada, mas não importa o que acontecer, eu iria superar. Eu iria conseguir acordar no dia seguinte assim como Stella, sorrir e viver minha vida. Eu iria continuar lutando e vencendo um dia por vez assim como o ex lutador de UFC.

Como diz Ana Vilela, "que a vida é trem bala parceiro, e a gente é só passageiro prestes a partir."




  

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Querida Ronnie

A vida é muito engraçada.

Agorinha pouco eu estava lendo uma carta que escrevi a dois anos. Eu fui ler essa carta para relembrar como eu sou louca e corajosa, mas o que mais me chamou a atenção foi a minha ingenuidade.

Eu escrevi essa carta meses antes de viajar. Nessa carta eu desabafo um pouco e falo o quanto eu estava feliz em realizar um sonho e ao mesmo tempo estava ansiosa para o que estava por vim. Bom, acho que a Ronnie de Julho de 2016 merece uma resposta.

Querida Ronnie,

Eu vim aqui para te dizer uma coisa, hoje dia 11 de Fevereiro de 2018 você continua feliz. Eu sei que você viveu uma vida fora do país, mas eu te garanto que nada vai te preparar para o que você vai viver aqui. 
Se prepare porque você vai passar muito calor e muito frio aqui no Texas, não se engane pelas generalizações que as pessoas falam. Spoiler alert: você vai ver neve aqui! Você também vai passar por poucas e boas, vai passar por perrengues, vai estar assustada, vai chorar de raiva e vai querer ter todo mundo do seu lado. Você vai aprender como sua família e amigos são importantes para você e você vai chorar de saudades, principalmente quando estiver sozinha, doente ou estressada. Infelizmente não existe boteco aqui, e sua liberdade é um pouco limitada.

Não se assuste com tudo isso, porque até nos dias ruins você terá a certeza que fez a escolha certa e está onde deveria estar. Nunca surgiu essa dúvida. Você passará frio, mas você irá rir, sorrir e cantar muito altos suas músicas favoritas, afinal, ninguém anda a pé aqui em Dallas. Você não foi para o College que queria, não foi para fazer o curso que queria, mas pode ficar tranquila que em algumas semanas você se ajeita e descobre que realmente Deus escreve certo por linhas tortas. Você vai descobrir que Deus realmente é todo poderoso, e é só pedir que ele te ouve. Você conhecerá novas maneiras de ver a vida, e isso só te fará uma pessoa melhor.
Você perderá muito dinheiro no começo, mas você ganhará uma casa e comida por pelo menos dois anos.  Você conhecerá pessoas maravilhosas e incrivelmente boas. Sua vida será abençoada e nenhum dinheiro paga isso.
Você não terá tantos amigos quanto no Brasil, mas os poucos serão muito bons. Você aprenderá a estudar e valorizar os estudos. Trabalhará muito e amar quase todos os monentos disso. 
Você vai amar o dia, a noite e você se apaixonará pôr alguém que você não espera, mas assim como se apaixonou desapaixonará. Você vai viver de um karma no amor e até o presente não aprendeu a lidar, mas continua otimista.
A saudade vai ser grande, mas a comunicação é sua melhor amiga. Não se preocupe com o Brasil, porque em um ano você visitará duas vezes. Não vou dizer que é dificil viver longe de todos, mas a sua felicidade vai além de qualquer coisa.

Você não sabe de nada, um ano e meio depois ainda não sabe, mas aprendeu e cresceu muito. A vida é assim, surpreende e não importa nossos planos, o que for para ser será. E hoje se você está ansiosa, confia em Deus, porque ele sabe o que é bom para você e o momento certo chegará.

Durma bem, porque seu dia está chegando.

Com amor,

Ronnie