segunda-feira, 10 de junho de 2019

"A sutil arte de ligar o F*da-se"

Faz mais de um ano que eu estava querendo ler esse livro. 

Por mais que odeie coisas que estão na "modinha," eu tenho que ficar grata por esse livro ter "viralizado" talvez eu nunca iria ter lido se se não fosse pelo sucesso que fez. A diferença é que eu não li por esse motivo, eu queria ler porque esse livro me intrigou desde o começo.

Minha intuição não estava errada. Eu amei cada capítulo desse livro. Ultimamente eu estou lendo livros com conteúdo mais intenso e importante que simplesmente ficções românticas. O conteúdo é um pouco mais útil para mim, porém eu preciso ler com muita atenção para absorver tudo. Decidi ler um capítulo por noite. Mais ou menos assim. Fui devagar porque queria ter certeza que estava entendendo, refletindo e pensando com calma no que eu estava lendo. 

Como eu me distraio muito lendo, eu tive várias vezes que tive que ler e reler os parágrafos para entender tudo. Enfim, mas eu li, e repito, eu amei.

O primeiro capítulo já foi excelente o suficiente, mas os capítulos seguintes foram essências para exemplificar o que o autor estava falando e nem consigo colocar em palavras o quanto esse livro é foda. Com apenas três capítulos lidos eu já era outra pessoa, eu tirei um peso das costas e fiquei livre de muitas ideias.

Eu me identifiquei muito com o autor em si, ele citou filósofos e budismo, tudo que me interessa muito. O mais interessante disso tudo é que muitas coisas que ele fala são coisas meio óbvias que nós nunca paramos para pensar. Spoiler alert: nós fazemos tudo ficar mais complicado, e ele fala sobre isso.

A coisa mais louca disso tudo foi o último capítulo. Como eu disse eu estava tentando ler um capítulo por dia. Obviamente não deu certo, muitas vezes eu estava cansada, com preguiça ou realmente não deu para ler. E tudo bem, só que tudo acontece por um porque. Se eu tivesse seguido o que programei eu já teria terminado esse livro há pelo menos uma semana, mas no fim hoje era o dia perfeito para eu termina-lo e eu vou explicar o porquê.

O último capítulo Mark fala sobre morte. Ele fala de quando ele perdeu um amigo e quando ele enfrentou a morte. Não vou dar detalhes porque eu gostaria que cada pessoa nesse mundo lesse esse livro, porém, justo hoje, eu mais uma vez sobrevivi. Hoje é mais um daqueles dias que eu por sorte cheguei em casa viva. Na real não sei falar isso sem soar dramática, mas como eu não to nem ai se alguém achar que estou, só tenho uma coisa a dizer: foda-se. :)

Hoje saindo da casa de uma colega, eu fui andando em direção ao ponto de ônibus. Antes de sair da casa eu fui avisada que iria chover. Eu recordo que tinha visto a previsão do tempo e não tinha chuva para aquela hora, o dia estava muito quente e até recusei o guarda chuva que me ofereceram porque eu simplesmente amo tomar chuva em dias quentes, até e dias frios também. Enfim, meu ônibus iria demorar para chegar, mas eu finalmente tinha conseguido falar com uma amiga, então sai antes da casa e fui andando mesmo que a chuva estava um pouco forte. Eu tive que voltar para a casa da minha colega porque havia esquecido algo lá, voltei e quando fechei a porta, a chuva aumentou muito, mas era uma mistura de chuva com vento. Até ai tudo bem, porque era chuva pesada mas nada demais.

Atravessei a rua e já não dava para voltar atrás, tudo foi aumentando. A chuva, o vento e nem dava mais para comunicar com a minha amiga. Eu não queria falar com ela, mas eu estava com medo. Aquilo não era uma chuva comum e o vento muito menos. O tempo tinha fechado do nada e estava tudo muito forte. Teve uma hora que o vento estava tão forte que eu nem conseguia andar e ele quase foi mais forte que eu. Eu nem tinha idea do que estava acontecendo, eu estava com medo de algum raio cair em mim ou perto de mim e estava com medo de alguma arvore ou algo voar em mim. Infelizmente naquela rua não tinha muita coisa para me abrigar, então a única coisa que fiz foi aumentar o passo e ficar no ponto de ônibus que era coberto e talvez cortaria um pouco do vento. O vento era tão forte que a chuva nem era meu maior problema, não dava para enxergar muitas coisas e eu sentia algo bater na minha cara como se fosse grãos de areia, descobri depois de granizo. 

Bom, para poupar de mais detalhes, por um milagre meu ônibus chegou 15 minutos mais adiantado, eu entrei ensopada e assustada. O ônibus foi orientado a não mover, mas o motorista continuou sua rota. Cheguei em casa ainda com o vento forte mas ainda não tinha noção do que tinha acontecido. Minha casa estava sem energia, e meu celular quase sem sinal e a internet quase não funcionava. Depois de me trocar e tentar entender o que aconteceu, meu amigo me falou que um tornado passou por Dallas. Eu não sei te explicar o quanto o vento estava forte, segundo os noticiário, até agora não foi confirmado se realmente foi um tornado, mas o vento estava até 120 km por hora. 

Depois de eu falar com meu amigo, foi ai que eu entendi onde eu estava, eu não vi nenhum tornado em si, mas o vento estava esquisito, eu lembro que até pensei na possibilidade, mas normalmente surge um alarme na cidade para isso.

Eu acho que eu não consigo explicar porque até agora é difícil entender o perigo que eu estava passando na rua. Não, eu não fui atingida por nada, e nada aconteceu, mas eu estava bem perto de ter acontecido. Minha colega mandou mensagem e disse que o estrago no bairro dela foi horrível, árvores caídas, partes de casas voaram, a minha casa teve um monte de partes de árvores caídas e quebradas com a força do vento e eu nem sei como eu cheguei em casa.

Agora que tudo passou nem parece que foi tudo isso, mas eu estava meio abalada quando cheguei em casa, eu lembro que quando estava na rua eu estava assustada e não sabia o que fazer, não sabia nem para quem ligar. Nem tinha o porque, a pessoa não teria o que fazer, eu estava longe e sozinha. O último capítulo de "A sutil arte de ligar o F*da-se" não poderia ser lido ontem, não poderia ter lido semana passada, ele tinha que ter lido hoje que de uma forma distante e assustadora eu pensei que ia morrer. Foi bom ler aquele livro e relacionar ao que estava sentindo ou refletir a isso tudo. É confuso e meio assustador lidar com essa situação, mas é só bom pensar que pelo menos eu estou viva, estou bem e nada fisicamente me aconteceu. Mais uma coisa a ser grata.





sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

A dor sufoca
tão física como uma facada.
As pessoas dizem
que o tempo cura tudo
Será mesmo?
quero deixar de ser a mesma?

Tempo passa,
tempo não tem data
Só quero que passa.

Engraçado que dessa vez
a única culpada sou eu.

Tempo passa, tempo passa

Uma semana
e pareço melhor
A dor sumiu
mas a saudade resistiu
Dúvidas e mais dúvidas
Inseguranças e lembranças
O tempo não passa

Uma mensagem e um sorriso
continuo querendo o fim disso
Mais uma vez
não vai machucar

Pouco tempo passou
E o sentimento apagou
A dor se curou
e a saudade ficou

----

Tudo isso é um processo,
nada vai sumir,
nada vai se curar tão rápido.
Os primeiros dias foram os mais difíceis.
Pensar que eu seria a única com saudades
machucava e eu lembrava
esse era o motivo de ter falado

O tempo passa devagar
e a ansiedade vai logo acabar,
A dor nem parece lembrar
que a saudade vai sempre estar

Apesar de hoje eu estar melhor,
eu já não consigo fingir
que o coração adora sentir
a saudade que persiste em existir
uma pena que hoje
eu já consigo resistir




Se arrependimento matasse

Reler textos antigos é assustador as vezes. Tem tanta coisa que eu sinto quando releio alguns textos que eu tenho vontade de deletar isso tudo. Mas eu não faço isso porque eu uso esse blog como acompanhamento do meu crescimento pessoal.
A prova que não há limites para passar vergonha. 

domingo, 27 de janeiro de 2019

One day at a time

Eu sempre achei que eu era racional demais, apesar de sempre agir muito como se ouvisse meu coração eu sempre pensei muito sobre tudo. Eu também descobri que sou muito intensa, e talvez isso seja muito difícil para as pessoas entenderem e até eu mesma, com tudo.

Para mim tudo não é tão simples como parece, tudo é mais intenso e mais emocionante, seja feliz ou triste. E talvez eu não estava preparada para viver tudo o que eu sinto, ou talvez isso seja o motivo de eu estar fazendo tudo que venho fazendo.
Eu queria saber como e porque eu me coloquei nessa posição e ilusão, como que eu consegui me colocar em certa ideia que eu não consigo seguir em frente. Eu sei que são apenas poucos dias e eu não posso esperar que tudo mude tão rápido, mas é muita loucura imaginar tudo que passa pela minha cabeça Tudo é tão confuso.

A parte mais louca disso tudo é que grande parte de mim sempre soube e sempre saberá que tudo era apenas ilusão e esperanças irreais que eu criei e ainda sim, eu não consigo esquecer tudo.

Tudo que penso, quando penso é: um dia de cada vez

sábado, 19 de janeiro de 2019

Ponto máximo da vulnerabilidade

Faz dois dias que cheguei das minhas férias do Brasil. Faz menos de um dia que eu me sinto livre.

Essa última semana eu tive uma das experiencias mais "novas" na minha vida. Eu me coloquei em uma situação totalmente desconfortável, eu expus todas as minhas inseguranças e medos e falei a verdade, falei o que sentia.
Sempre quando alguém me pede conselhos eu sempre falo para as pessoas falarem a verdade, falarem o que sente. Eu sempre digo que a comunicação é sempre o problema e a solução de qualquer coisa. Se as pessoas não tivesse medo de se abrir e falarem o que sente, existiriam muito menos brigas e mal entendidos. Talvez quem sabe mais paz e amor que esse mundo tanto precisa. Ok que precisaríamos de um pouco mais de compreensão e entendimento, paciência e etc. Mas isso é assunto para outro dia.
Eu sempre soube para que eu pudesse lidar com meus sentimentos eu teria que tirar um tempo para mim. Eu não tinha dúvida que a solução era essa, mas a real é que eu não conseguia e nem queria fazer isso. Eu já havia me acostumado com a ideia de viver com esse karma e com tudo envolvido a ele. Na verdade eu não conseguia me ver sem esse karma.

As pessoas falam que a mudança só acontece quando você quer, e chegou o momento que eu cansei e eu precisava mudar. Eu precisava me livrar dos sentimentos extras que eu tinha se eu quisesse ter a amizade dele. Diante de todas as minhas tentativas falhas de querer me afastar eu reconheci a única maneira de fazer acontecer e se justo.

Eu me abri e falei toda a verdade, falei a ele o que sentia e o que precisava fazer, falei o quão difícil era essa decisão para mim, falei o quanto me importava com ele e com a amizade, e por isso que estava fazendo tudo isso.
Talvez eu nem tenha  colocado em palavras tudo o que sinto, mas eu coloquei o que eu precisava. Foi estranho gravar um áudio e me abrir dessa forma. É diferente quando você fala de seus sentimentos com um amigo, mas é totalmente desconfortável falar dos seus sentimentos para a pessoa no qual você tem esses sentimentos. É ruim, é estranho, é assustador e constrangedor. Até porque eu me senti culpada de ter que coloca-lo em uma situação como essa. Enfim, eu provavelmente senti qual seria o ponto máximo da vulnerabilidade.

O que foi de assustador foi também libertador. Mesmo quando os sentimentos não são respondidos da mesma forma ou intensidade, isso não quer dizer que foi um caso perdido. É importante para as pessoas saberem que são amadas, admiradas por outras.

Para mim, o único objetivo de tudo isso foi para eu começar a seguir em frente, e não existe melhor coisa do que se abrir e falar a verdade.

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Thanksgiving


Essa semana é comemorado o Thanksgiving aqui, apesar do Brasil já ter comemorações e festividades demais, eu acho que essa tradição deveria ser adicionada por todos. Não precisamos de um jantar para celebrar. Esse dia é dedicado a gratidão. Eu tenho uma lista infinita de coisas a agradecer e ser agradecida.

Eu pratico a gratidão todo dia, ou pelo menos tento. Há muito tempo tenho praticado a rotina de dar mais atenção as pessoas que eu amo, a ouvir mais e constantemente lembrá-los o quanto são importantes para mim.
Nós criticamos com facilidade mas por que fazer um elogio, que é uma coisa tão linda, é raro? Eu nem sempre uso palavras para mostrar o quanto me importo com as pessoas, as vezes um simples “como você está hoje” já é o suficiente. Estar lá mesmo quando você não está fisicamente. Um eu te amo, te adoro e obrigada por ser você pode mudar o dia de alguém. Comecei também a falar da personalidade e pequenos detalhes e dizer o quanto cada pessoa é linda, brilhante. Talvez aquela pessoa não sinta isso todo dia, mas no dia que ela ouvir alguém falando, ela vai ficar feliz, nem que seja momentaneamente.

Mas tudo isso sou eu, eu gosto dar atenção e fazer as pessoas felizes, eu gosto de ver as pessoas sorrirem. Enquanto estava estudando eu recebi um e-mail, um e-mail daqueles que normalmente quando a gente vê que não é importante, a gente ignora. Esse e-mail era da Instituição que eu faço trabalho voluntário, eles estavam contando histórias de alguns voluntários e como o que nós fazemos muda nossa vida. No final daquele e-mail eles agradeceram a nós, voluntários, pelo o que nós fazemos. Naquele momento eu me surpreendi porque eu vivo nesse pensamento que sou agradecida pelas coisas e pessoas em minha vida, mas esqueci que em algum lugar, existe alguém ou quem sabem muitos alguém que é agradecido por me ter em suas vidas. E isso é incrível.

Então hoje, amanhã, qualquer dia, ou todo dia, faça um flashback das pequenas coisas que aconteceram na sua vida e agradeça. Mesmo que hoje você não esteja vivendo na melhor vida, esteja passando por uma situação difícil, esqueça por um motivo aquilo que não te trás felicidade. Seja grato pelo o que você tem, pelas pessoas que estão em sua volta e grato por ter uma vida. Você vai ver que no final será grato só por ter essa experiência.

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Hopeless

Eu acho que vou precisar de anos para me re-estruturar. Essas eleições foram desgastantes em diversas maneiras. Emocionalmente e fisicamente. Há muito tempo eu não me sinto tão desorientada e frágil.  Eu não gosto de pedir ajuda e sinceramente muitas vezes não quero ser ajudada. Porque tem certas coisas que não acho que tem solução.
É engraçado eu escrever tudo isso porque minha vida está dividida em duas partes. Minha vida profissional, a que eu tanto prezo está indo incrivelmente bem. Em yoga em muitas posições para manter o equilíbrio e estabilidade você tem que focar em uma coisa. Tem que ter uma concentração excelente em um ponto e não se distrair. E isso é exatamente o que fiz minha vida inteira com minha vida profissional, eu foquei 100% nela. Eu desisti e sacrifiquei algumas coisas porque eu já olhava para frente onde eu queria estar.
Só esse ano eu ganhei 3 prêmios pelo meu trabalho, eu ganhei duas bolsas escolares, também por mérito ao meu trabalho. Esse ano também aumentei e fiz milagres com as minhas notas. Entre outras coisas. Nem estou contando os incríveis dias que vivi por simplesmente estar onde estou. Tudo isso graças ao meu foco em chegar aqui.

Um desses prêmios que eu ganhei, foi na mesma semana que eu eu conheci a Alicia Keys. Eu não consegui comemorar, ficar feliz, ou sentir orgulho, naA notícia veio em um sábado e no domingo eu estava aos prantos pelo resultado das eleições. Naquele mesmo domingo a minha própria mãe veio me falar coisas horrorosas que eu não sei o porque eu sou merecedora de ouvir essas coisas. Se eu contasse o que ela falou vocês questionariam o que eu fiz. Eu te adianto, tudo o que eu fiz foi não apoiar um candidato. Não apoiar alguém que vai contra todos os meus princípios e é contra tudo o que eu acho que é o mínimo que precisamos: amor.

Como eu disse, vai demorar para eu superar o que eu vi e ouvi. Aquele domingo eu achei que iria ser o fim de uma tortura que é ver pessoas que você ama te decepcionar. Na verdade foi o começo porque tudo piorou. Aqueles que disseram que com o fim das eleições, acabariam as brigas; eu vou te dar um spoiler de alguém que vive em um país que passa pela mesma situação: Não melhora, muito pelo contrário, as coisas pioraram.
Se não bastasse ter minha mãe falando coisas horríveis para mim, tive que saber da minha avó também falou, também me julgou e me desprezou.
E para falar a verdade, nada doeu mais que isso, nada dói mais.

E para completar eu ainda vivo em um karma. Eu já não sei mais o que fazer para parar de doer, parar de sentir, parar de sofrer. Eu cansei de amar, cansei de tentar esquecer, cansei de me preocupar. Chega a ser ridículo ter esse sentimento a tanto tempo. Chega a ser estúpido porque é fora de controle e desde o começo nunca quis. E ele não vai embora.

Eu só queria que essa dor passasse, apenas. 
E você querida amiga que sempre está por aqui, não se preocupe, eu ficarei bem